Dulce María vive uma homossexual em série mexicana: "Eu nunca tinha nem visto duas mulheres se beijando"

Confira a exclusiva com a cantora e atriz mexicana que tanto nos apaixona

Por Patricia Battaglia

A bela arrasou nos shows em São Paulo e no Rio de Janeiro | <i>Crédito: Manuela Scarpa/Brazil News
A bela arrasou nos shows em São Paulo e no Rio de Janeiro | Crédito: Manuela Scarpa/Brazil News
Quem aí era fã da novela Rebelde, e do grupo RBD, explosão de sucesso nos anos 2000? Pois é, Dulce María intérprete da inesquecível Roberta, esteve no Brasil, que ela ama de paixão, para divulgar o novo álbum, DM. E, claro, arrebentou em shows no Rio, em Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) e Sampa. A bela também marcou presença no programa The Noite, de Danilo Gentili, e na rádio Transamérica, onde conheceu Wesley Safadão. Mais maduro e autêntico, o projeto atual da estrela mostra uma Dulce de 31 anos e com muita história para contar. Veja nosso papo com a mexicana, que em janeiro assumiu o namoro com o produtor musical Paco Álvarez. Aqui ela também fala da experiência de dar vida a uma personagem gay na série Mulheres Assassinas, e de como foi beijar uma mulher em cena.

TITITI – Fala mais sobre esse novo álbum? 
Dulce María – É meu terceiro como artista solo... Ele está mais pop, com letras fortes e que tratam de temas adultos.

TITITI – Você também é compositora... Tem alguma inspiração na hora de criar suas canções? 
Escrevi Corazón Confidente, por exemplo, e outras coisas que acontecem na minha vida.

TITITI – Na época de Rebelde, pensava fazer tanto sucesso? 
Não, nenhum de nós imaginou (referindo-se aos colegas Anahí, Alfonso Herrera, Maite Perroni, Christian Chávez e Christopher Uckermann). Da primeira vez que vim ao Brasil, aos 19 anos, vi o tamanho do sucesso. Fiquei muito emocionada e impressionada porque as pessoas até choravam diante da gente.

TITITI – Vocês ainda são amigos? 
Sim, me encontro com eles em diferentes momentos. Vi o Christian e a Maite recentemente, inclusive. Temos carinho uns pelos outros, que vai durar para sempre!

TITITI – Como era para você pintar o cabelo de vermelho na fase da novela? 
Era divertido, funcionava como um acessório para mim. Mas aí mudei de gostos e mudei de novo agora (risos).

TITITI – Se achava parecida com a Roberta em termos de personalidade?
Sim, ela era maluquinha e eu também. Mas não tanto quanto ela, tá, gente (risos)?!

TITITI – Recentemente, interpretou a Eliana, uma homossexual, na série mexicana Mulheres Assassinas... Foi tranquilo? 
Estou afastada das novelas por conta da carreira musical... E fiz um capítulo apenas dela, que me ocupou pouco tempo de gravação. Por isso consegui realizar, sem me tirar do foco.

TITITI – E como foi beijar outra atriz durante as sequências? 
Muito difícil, porque beijar um homem é comum pra mim, e eu nunca tinha nem visto duas mulheres se beijando. Eu gosto de homens mesmo (gargalhadas).

TITITI – Você é sobrinha-neta da saudosa pintora e agitadora cultural Frida Kahlo, também mexicana... Conta isso! 
Sim, mas não cheguei a conhecê- la. Sei que era comunista e minha avó, irmã dela, não. Então elas não conviviam. Mas tenho livros dela, sou fã, sei que passou por muitas dificuldades, conviveu com suas dores. Ela me inspira até hoje!

TITITI – Como vai o coração? 
Vai bem, Paco e eu estamos felizes. Ele é um homem que me quer e me apoia.

TITITI – Como vai o coração? Pensa em casar, ter filhos?
Sim, quero construir uma família, mas não agora. Um dia.

TITITI – Já sofreu com dietas? 
Na verdade, não sofro com elas, não. Sempre disse: temos que estar saudáveis! É para cuidar de si, mas não ser obcecada. 

TITITI – Saiu da dieta na passagem pelo Brasil?
Claro, pequei total (risos)! Comi muito doce de leite, açaí, pão de queijo. Sou louca por tudo isso (risos).


12/06/2017 - 07:39

Conecte-se

Revista Tititi