Carol Nakamura: “Tenho certeza de que estou me desafiando demais”

Na estreia como atriz de novela, ela revela receios e garante: foi recebida de braços abertos pelos colegas de Sol Nascente

Carol e Henri em Sol Nascente | <i>Crédito: Carol Nakamura e Henri Castelli
Carol e Henri em Sol Nascente | Crédito: Carol Nakamura e Henri Castelli
Um dos maiores sonhos de Carol Nakamura acaba de se tornar realidade: a ex-bailarina e assistente do Domingão do Faustão conquistou, com muita luta, a chance de provar que também é boa atriz em Sol Nascente.
Na novela, ela dá vida a Hiromi, uma jovem japonesa que vive no Brasil com o tio, Tanaka (Luis Melo), após perder o pai. Porém, mesmo com todo o carinho que recebe, deseja retornar ao seu país. Na busca pelo príncipe encantado japonês, Hirô acaba deparando com o problemático Ralf (Henri Castelli), por quem se apaixona.
Enquanto a personagem corre atrás do seu próprio conto de fadas, Carol se mostra cada vez mais madura, inclusive sentimentalmente! Depois de um conturbado relacionamento com o ator Sidney Sampaio, ela encontrou a paz com Aislan Lottici, jogador do Vasco. Confira o bate-papo!!!

TITITI – Como está sendo essa nova fase na carreira?
Carol Nakamura – Um desafio! Na verdade, eu já queria faz tempo e agora estou estudando pra caramba!

De que forma foi recebida pelos atores, sobretudo os mais experientes?
Ah, fui abraçada por eles! Achei que fosse chegar e fossem me tratar só com educação, mas não. Me tratam como se eu já fizesse parte da dramaturgia há muito tempo. Estou adorando o clima da novela, adorando meus amigos. E os atores mais experientes são muito generosos!

Fala mais da Hirô pra gente?
Como ela veio do Japão com 6 anos por conta do falecimento do pai, ela sente muito essa ausência familiar. Então, acha que se voltar para lá será mais feliz.

Ela não se sente acolhida?
Por mais que o tio dê atenção, ela não se sente aceita. Adora praia, surfar, as coisas daqui, mas ainda não entendeu que pode ser feliz no Brasil. Por isso quer casar com um japonês e tentar ir pra lá.

É claro que isso não vai chegar a acontecer, né? 
Então, ela se envolve com o Ralf, que tem uma personalidade completamente ao contrário do que ela quer. Ela sonha com um cara comportado, fiel, e o Ralf é um mulherengo, que não quer nada com nada. 

Hirô e Carol têm algo em comum?
Algumas coisas, sim. Por exemplo, essa coisa de buscar a pessoa perfeita, querer casar, construir família... Mas acho que toda mulher tem um pouco disso, não é?

Você sempre sonhou com o príncipe encantado?
Não (risos)! Já entendi que príncipe sem defeito não existe, mas a gente busca uma pessoa com quem consigamos conviver com os defeitos, que tenha o mesmo propósito de vida que você... Eu acho que todas as mulheres, no fundo, no fundo, embora  não admitam, estão em busca de uma vida familiar. 

Você está com o Aislan... Acha que ele é essa pessoa que procura?
Estamos namorando há dois anos e me sinto bem feliz e satisfeita... Posso dizer que, sim, encontrei (risos)!

Após o fim do noivado com o Sidney e sua saída do Faustão (naquela mesma fase), diria que este é o seu melhor momento?
Com certeza! Acho que sempre que passamos por uma coisa muito tumultuada, por uma escuridão, quando essa maré vai, leva tudo e vem só coisa boa. E é isso que está acontecendo na minha vida! Eu estava querendo me desafiar, me conhecer, tinha feito alguns cursos... Sou muito intensa, vivo com muitas emoções e queria descobrir se conseguia trabalhar de outra forma. 

E como pintou a chance de entrar na novela?
Quando eu soube dos testes e que eu estava dentro do perfil, pensei: não posso perder! Corri atrás, fiz o teste, passei e estou muito realizada! Gosto de tudo que estou fazendo e não me incomodo com absolutamente nada... 

Tem estudado muito para honrar essa oportunidade?
Sim! Gosto de estudar, ler,  trocar, saber... Sou muito curiosa! Acho que tenho tudo para dar certo: estou me sentindo bem, à vontade, como se estivesse em casa!

Já conversou com o namorado sobre as cenas de beijo com o Henri?
Ele não me conheceu atriz, e a gente conversa muito sobre tudo! Ele sabe das minhas expectativas, da vontade de me firmar na carreira, dos cursos que venho fazendo. E até passa os textos comigo... Como essas cenas ainda não foram gravadas, a gente ainda não fala muito sobre isso (risos)!

Quanto ao carinho do público... Ele não fica enciumado com o assédio?
Isso de certa forma já acontecia antes por conta do trabalho no Faustão. Ele é bem seguro e tento passar muita confiança para ele também. 

Você vem de uma trajetória como bailarina... Temeu receber críticas bobas por querer se tornar intérprete?
Olha, se eu falar que a mídia e a opinião das pessoas não influenciam na minha vida estarei mentindo! Eu vivo da opinião das pessoas. Ao mesmo tempo,  se levar a opinião delas cem por cento a sério, não dá certo. Então eu filtro. Aceito muito as críticas, desde que construtivas. Tenho certeza de que não vou agradar a todo mundo. Assim como tenho a certeza de que estou me desafiando demais. Se vai dar certo, não sei, mas espero muito que gostem do meu trabalho como atriz. Hoje vivo e respiro a Hirô. 

Diria que a dança saiu da sua vida definitivamente?
A dança nunca vai sair da minha vida. Ela vai permanecer porque me ajudou na educação, no comportamento e aqui (no set), contribui com meu gestual, a me levantar, a sentar... É uma arte que já está dentro de mim e nunca mais vai sair. Mas acho que estou em outra fase. Mas se tiver que voltar, não vejo problema nenhum!

11/10/2016 - 18:09

Receba as novidades da Tititi em seu e-mail! Cadastre-se abaixo:

*preenchimento obrigatório

Conecte-se

Revista Tititi