Malandramente, eles conquistam o país!

MCs Nandinho e Nego Bam estão juntos há apenas quatro meses. Porém, já são fenômeno!

Nego Bam e Nandinho | <i>Crédito: Divulgação
Nego Bam e Nandinho | Crédito: Divulgação
Xuxa, Marcos Mion, Luciano Huck e outros comunicadores, inclusive de rádios do Brasil inteiro, já sacaram. Os baladeiros, fãs de bailes funk e a galera da internet nem se fala! Os MCs Nandinho e Nego Bam, do Rio,  chegaram com tudo e se transformaram no mais novo fenômeno da música, graças ao sucesso de Malandramente. Para se ter uma ideia, o clipe da música  no YouTube já alcançou a marca de 60 milhões de visualizações. Responsa kkk!
O hit foi escrito por Nandinho enquanto ele estava sentado em frente à televisão. E jamais imaginou que causaria tanto em tão pouco tempo. “Não tínhamos certeza se daria certo ou não. E não é que deu?!”, declara com bom humor, sobretudo feliz porque Malandramente tem transformado a vida dos parceiros de origem muito humilde.        
Mas a letra divertida e o ritmo contagiante não são os únicos responsáveis pela fama repentina da dupla. Os empresários e DJs Dennis e Napô deram um belo empurrão na carreira dos talentos, descobertos e unidos por eles há apenas quatro meses. Antes, os cantores batalharam – e muito em carreiras solo e em outras profissões.
 Antes de ser artista, Nandinho, de 28 anos, trabalhou como engraxate e pegava latinhas e papelão no lixão para ter o que comer. Já Nego Bam, 32 anos, ganhou a vida colocando gesso em residências. “Fiquei dez anos como gesseiro. Eu gostava, cara, é bem legal. E sempre mandava um funk enquanto trabalhava...”, contou. Com esse vozeirão todo, Bam quer é mais. “É meu sonho ser tenor e cantar na Itália. Sou fã da rapaziada de ópera. Meu desejo é ser um grande tenor.” 
Nandinho, quando questionado se está realizado, revelou rindo: “Ainda falta um pouquinho. Quando eu comprar minha casa, vou ficar realizadíssimo. Tenho uma, mas agora quero outra, mais outra...” 

Como foi a época de engraxate? 
Nandinho – Trabalhei nessa função por um ano e meio. Também fui cobrador de van. Quando a gente é pobre, por necessidade, tem que se virar como pode. Foi uma escola, aprendemos bastante e hoje a oportunidade está sendo maravilhosa. Tudo tem mudado. 

E a fase do lixão?
Nandinho – (Emocionado) Foi um pouco difícil, eu tinha uns 15 anos e a gente tinha que se virar para sobreviver. A gente vendia o material reciclável para ter um dinheirinho e comprar algo para comer. 

Fala mais da infância?
Nandinho – A partir dos 12 anos a vida complicou. Minha avó faleceu e minha mãe teve de devolver a casa onde morávamos. Fomos pra rua viver em barraco de madeira... Conheci ali o amargo da vida. 
Nego Bam – A minha foi tranquila e feliz. Minha mãe sempre trabalhou, foi uma guerreira. Mas, em termos financeiros, a gente, que veio de comunidade, passou por umas dificuldades, sim. Mas eu soltava pipa, jogava bola de gude (risos).

E a vida como gesseiro? 
Nego Bam – Eu gostava, sabia? Inclusive a música Ah, Eu Vou Gostar compus trabalhando como gesseiro. 

O que você leva de ensinamento da sua mãe?
Nego Bam – A ser um trabalhador honesto, sempre fazer o bem. Até hoje levo isso, graças a Deus.

Como você é em casa? 
Nego Bam – Fora dos palcos  sou o Rafael. Dou carinho e amor à minha família, sou brincalhão...

O que a família representa pra você?
Nandinho – Ela é a base do que sou. A pessoa de superação que estou sendo, do sucesso que venho tendo, da música, da energia que passo nos shows (uma média de oito por semana). Minha família é tudo pra mim.

Qual o momento mais triste e feliz que já passou na vida?
Nandinho – Nunca tive momentos de tristeza, e sim difíceis. O mais feliz foi quando conheci minha mulher (Thauane Felizardo). Estamos juntos há quatro anos. 
Nego Bam  – A fase mais difícil foi a perda da minha mãe, em 2006. Dá uma saudade dela... O mais feliz foi o nascimento do meu filho (ele é casado com Ingrid Almeida Souza,  com quem tem Miguel Elias, de 4 anos).

Qual é a sensação de ver Malandramente tão estourada?
Nandinho – Quando se escreve a gente não sabe se vai dar certo ou errado... Mas no instante em que faz uma música, canta sozinho e fica rindo, é aquilo, sabe (gargalhadas). Senti que poderia rolar.
Nego Bam – É um milagre uma música estourar assim, desse jeito. Em cada lugar que passo e a escuto tocando fico na maior felicidade. 

Como se conheceram? 
Nandinho – Poxa, cara... Eu já admirava o trabalho dele. O Nego Bam é um tenor! Ele tem uma voz... Recentemente,  chamaram a gente pra trabalhar, mas eu não sabia que ele estaria no mesmo escritório que eu. Foi uma surpresa! Dennis DJ teve essa ideia de juntar a gente. 

O que fez com o primeiro bom dinheiro ganho?
Nandinho – Nossa... Eu fiz compras (risos)! Fui ao mercado, comprei arroz, feijão... Eu só ia ao mercado com dinheiro contado... Aí, dessa vez, tinha que fazer uma compra legal pra levantar a autoestima de um pai de família. 
Nego Bam – Dei dinheiro pra minha esposa comprar tudo que quisesse, inclusive móveis novos... Levei meu filho pra brincar no parque e dei tudo o que ele queria. Quando eu trabalhava como gesseiro, eu ia ao parque, mas não podia dar fartura, né? E nem comprar à vista geladeira, fogão... 

Se depender de vocês, o que o futuro reserva?
Nandinho – Se depender de mim, vou continuar sentado como um ancião, usando minha cabeça, minha mente, que é o que sei fazer de melhor. Foi sentado em frente à TV que escrevi Malandramente
Nego Bam – O que eu penso é: se a gente trabalhar agora, plantar o bem, vamos colher amor e só coisas boas daqui pra frente. 

O que é a vida pra você?
Nandinho – Uma escola. 
Nego Bam – Uma aventura. A gente vive a vida sonhando, né? Se a gente não tiver fé e sonhar, não temos vida. Vida sem isso não existe. 

Alguém tem ajudado vocês a administrar a parte financeira?
Nandinho – Ah, sim. O Dennis nos assessora, ensina como gastar, conseguir as coisas... Eu comprei um carro agora, tudo com conselho dele. 
Nego Bam  – Dennis e Napô estão sempre nos orientando. Eles já são bem-sucedidos na história do funk, macacos velhos na parada, experientes, né (risos)? Ensinam a não comprar três, quatro, cinco carros, só para mostrar que tem... Orientam a sempre guardar dinheiro na poupança, porque quanto mais você guarda, mais  tem.

Tem mais sucesso pintando por aí? 
Nandinho – Tem uma música  que estamos apostando para o verão. Ela se chama Vai Rebolar e muitas academias já estão fazendo a coreografia... Vamos ver!!!  

04/11/2016 - 14:30

Conecte-se

Revista Tititi